quarta-feira, 26 de julho de 2017

Surgeons (C-Drama)

Yoooo, minna... Então, como vocês sabem meu primeiro drama médico foi Doctors. E mesmo sabendo de diversas sugestões por aí, também coreanas, nada me despertou interesse. Mas eis que num belo dia, procurando alguma coisa para assistir, esse dorama me chama a atenção. Quando vi que tinha mais de 40 episódios, até me desestimulei um pouco, mas depois dos dois primeiros episódios, lá estava eu, viciada e fissurada nessa história.

Título: 外科风云/ Wai Ke Feng Yun/ Surgeons/ Surgeons (Stories Behind OR)
Direção: Li Xue
Roteiro: Zhu Zhu
Gênero: Comédia, Drama Médico, Romance
Publicação: C-Drama - 44 episódios (ZJSTV | 2017)
Nota: ♥♥♥♥


Surgeons, drama chinês (2017)

Sinopse: Há 30 anos atrás, um incidente poderia ser considerado uma grande descoberta médica, no entanto, dois médicos inexperientes, assustados com a repercussão desse acontecimento, resolvem tomar uma decisão extrema, culpabilizando uma pobre enfermeira, Zhang Shumei (Liu Lin). Buscando vingança e querendo limpar o nome de sua mãe, Zhuang Shu (Jin Dong) retorna à China com o objetivo de expor toda a verdade por trás dos respeitadíssimos doutores Fu Bowen (Ma Shao Hua) e Xiu Minqi (Jin Shi Jie). Entretanto, nessa jornada, Zhuang Shu conhece Lu Chenxi (Bai Bai He), e passa a ver as coisas com outras nuanças.




Terminei esse drama ontem e até agora estou tentando lidar com o fim. Diferente de histórias como Dr. House, por exemplo, Surgeons é um drama médico que de alguma maneira não é apenas isso. Grande parte da narrativa se passa no Hospital Renhe, mas mesmo assim, é possível conhecer um pouco da vida dos personagens, dos dilemas, das angústias, etc. Isso para mim já conta como um ponto bastante positivo. Não é um daqueles dramas em que cada episódio tem um caso diferente, existe uma continuidade das ações, uma continuidade da rotina de um hospital e dos que trabalham e se consultam lá.




Explicando o plot do dorama - sintam o poder do melodrama chinês - a mãe de Zhuang Shu, na verdade, Zhang Xiao Bin, é acusada de aplicar penicilina (pó) num paciente alérgico a esta medicação. Entretanto, Zhang Shumei aplicou lidocaína (líquido), mas ninguém esperava que o paciente fosse alérgico a esse remédio. Acusada de ter sido negligente e de ter levado o paciente a óbito, Zhang Shumei tenta de tudo para provar sua inocência. No entanto, ninguém a escuta e mesmo o testemunho de Zhong Xibei (Yang Xin Ming), que na época era apenas um médico residente, não a ajuda nesse processo. Sendo demitida e sem moral alguma, para completar a tragédia, a filha mais nova de Zhang Shumei, Nan Nan, é raptada por traficantes. Desolada, Shumei comete suicídio, deixando Xiao Bin sozinho e sem parentes. Mais tarde, ele é adotado por um médico chinês e levado para morar nos Estados Unidos, onde passa a se chamar Zhuang Shu/Owen.




Depois de alguns anos nos Estados Unidos, convidado pelo diretor da cirurgia torácica (setor onde sua mãe trabalhava), Yang Fan (Liu Yi Jun), Zhuang Shu retorna à China para assumir um contrato de dois anos no Hospital Renhe. Chegando lá, ele conhece a explosiva e impulsiva Lu Chenxi, de quem acaba "roubando" o lugar de responsável pela Ala 1 e de ensinar os médicos internos sobre cirurgia torácica. Mas, depois de se conhecerem da pior forma, e de por diversas vezes se envolverem em situações inusitadas, Zhuang Shu e Lu Chenxi passam a morar juntos e aos poucos percebem estar apaixonados um pelo outro. Obviamente, tudo seria perfeito, se não fosse o fato de que Lu Chenxi ser a filha do paciente que Zhang Shumei foi acusada de levar a óbito - mais uma vez, sintam o poder do melodrama dos dramas chineses (risos). 




Não quero me estender muito para não frustrar as expectativas de quem ainda não viu. Eu sou suspeita para falar, porque para mim esse foi um dos melhores dramas médicos que eu já vi. Já ganhou um lugar no meu coração. Esse dorama me fez rir em vários momentos, mas também me fez chorar horrores... a história é coerente, sem muitos furos, nada fica de fora, você não se perde, apesar da enxurrada de personagens, cada um dos personagens principais e os secundários são bem desenvolvidos. O casal secundário formado pelo médico Chen Shaocong (Li Jia Hang) e pela enfermeira Yang Yu (Lan Ying Ying) são bem trabalhados e não são meras sombras de Zhuang Shu e Lu Chenxi. O que eu mais gostei nesse dorama foi poder conhecer os dramas de cada personagem, até mesmo o histórico de vida dos pacientes (os personagens mais passageiros da história) é pontualmente desenvolvido para dar seguimento à narrativa.




Percebemos também que nenhum personagem é totalmente bom ou totalmente mau. Ao mesmo tempo em que Lu Chenxi é extremamente competente, séria e honesta, ela também é extremamente orgulhosa e impulsiva. O próprio Zhuang Shu, por exemplo, é um excelente profissional, proativo e discreto, mas em contrapartida, é extremamente frio e calculista. Os personagens são apresentados como humanos, com virtudes e com falhas, tendo que lidar com seus erros e acertos. O drama não só traz a rotina de um grande hospital, como coloca em xeque questões importantes e delicadas, como a ética médica e profissional. Além disso, mostra o amadurecimento de cada um deles a partir de suas experiências de vida. Eu super recomendo esse dorama por tratar de vingança, ética, amadurecimento, corrupção etc sabendo dosar comédia e melodrama, mas também porque traz personagens femininas incríveis, a começar pela própria Lu Chenxi (por ser a única mulher como cirurgiã torácica e não se dobrar às injustiças), Yang Yu (por cuidar de sua mãe doente e ser firme nas suas decisões) e até mesmo a "chorona" da Chu Jun (He Du Juan), por descobrir sua verdadeira vocação.



C-Drama legendando em português:
Fansub: DramaFans (legendas)
Ver online: DramaFever; Viki

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Hibi Chouchou

Se você é fã de shoujo escolar, talvez irá gostar desse mangá. Embora mantenha alguns dos tão famigerados clichês de shoujo escolar, podemos observar algumas coisas inovadoras nessa narrativa. Além de a história trazer uma certa leveza ao abordar o romance entre os personagens principais, também apresenta um traço muito bonito, cenários bem detalhados e personagens atraentes, embora não se aprofunde muito neles.

Mangá: 日々蝶々/ Hibi Chouchou 
Mangaká: Morishita Suu
Gênero: Bishoujo, Comédia, Romance, School Life, Shoujo, Slice of Life
Publicação: Mangá - 12 volumes (2012)

Hibi Chouchou, da mangaká Morishita Suu (2012-2015)

Sinopse: Shibazeki Suiren sempre foi uma garota muito bonita. Por causa da sua beleza, nunca teve sossego, sendo assediada e importunada durante toda a sua vida. Decidida a cursar o ensino médio numa escola mista, Suiren conhece o introvertido Kawasumi Kouha, que diferente dos demais garotos da escola, nunca a assediou. Uma garota tímida e um rapaz com dificuldades de falar com garotas têm alguma chance de darem certo?



'Uma leve e macia história de amor' definiria muito bem todo o enredo de Hibi Chouchou. Com belos traços e uma narrativa leve e delicada , vamos conhecendo Suiren e Kawasumi. Dois jovens que têm em comum o "medo" de falar com o sexo oposto. É explicado porque Suiren tem medo de rapazes, por ser muito bonita, sempre foi assediada por eles em qualquer lugar que estivesse, necessitando sempre da ajuda de terceiros para poder lidar com todo esse assédio, no caso, de sua melhor amiga Shimizu Aya.




Sendo assim, Suiren "arrasta" Aya, sua amiga de infância, para todos os lugares. Certamente, Suiren não faz por mal e ela tem consciência de que não quer ser a Takane no Hana que todos chamam. Takane no Hana significa flor no pico mais alto, ou seja, inalcançável. Vemos então que Suiren começa a ser ilhada pelos garotos da escola, que passam a tratá-la como a Takane no Hana de todos. Nem com toda a sua beleza, Suiren poderia ser feliz, já que desde o início ela é considerada "proibida" para todos. No entanto, Suiren deseja ser uma borboleta, ou seja, uma chouchou, daí o título do mangá, que a grosso modo significaria o dia a dia da borboleta. Ou seja, seria uma história para mostrar como a Takane no Hana se transforma numa borboleta.




Como todo shoujo escolar, vale salientar que Hibi Chouchou não foge de alguns estereótipos ou clichês. Triângulo amoroso que, na minha humilde opinião, poderia ser bem melhor trabalhado, a imagem da "rival" que no fundo no fundo nem é tão rival assim, a protagonista precisar ser protegida o tempo todo dentre outros. Para um romance leve, sem pretensões, Hibi Chouchou é um mangá extremamente fofo e divertido. Eu li e, particularmente, gostei muito. E por ter gostado tanto, fiquei triste por alguns personagens não terem um final tão digno como mereciam, como o Atohira-senpai e a Shinkawa Koharu.




Atohira-senpai é amigo do irmão mais velho de Kawasumi, mas também é a pessoa que Kawasumi mais admira e deseja ser como ele. Mas, por alguma razão, Atohira se apaixona por Suiren, mesmo que nunca seja retribuído. O mesmo acontece com Koharu, que se interessa por Kawasumi, mas este a rejeita várias vezes. Mesmo dando o melhor de si, Koharu sempre termina num relacionamento unilateral, até conhecer Atohira-senpai. O final dos dois me deixou bastante chateada, ambos eram terceiranistas e iam para a faculdade, sei que perderiam contato, mas seria interessante ver um desdobramento maior desses dois como um possível casal.




Outro ponto que me incomodou foi o namoro de Takaya Ryousuke (amigo de Kawasumi) e Ozaki Mina (que caiu de paraquedas na história). Quem acompanhar a história desde o início vai perceber o clima entre Aya e Ryousuke, o que poderia sim ser mais desenvolvido e infelizmente não foi. Mas nem de pontos negativos é feita essa história. Mesmo necessitando ser protegida o tempo todo, Suiren vai contra tudo o que se espera dela. Espera-se a visão de uma princesa presa numa torre, que é justamente o que tentam fazer com ela, mas Suiren se insubordina e, à sua maneira, vai aos poucos avançando, evoluindo. Ela é honesta, sincera e cativante, o que me lembrou muito a Sawako. Assim que entra na escola, Suiren faz amizade com Kudou Yuri e junto com Aya formam um trio que mais tarde se torna um quarteto, quando elas ficam amigas de Sotomura Meguna.




Se você for daqueles que esperam várias reviravoltas, pode tirar o cavalinho da chuva. Hibi Chouchou se encaixa naquelas histórias tranquilas e suaves. As coisas acontecem nas entrelinhas e é tudo muito contemplativo e sem muita conversa ou enrolação. É um romance super fofo, pois Kawasumi e Suiren combinam muito, mesmo tendo gostos bem diferentes. A história tem uma pegada realista, mesmo que esse não seja o carro-chefe da história, mas fica subentendido que com o fim do ensino médio, é normal que cada um vá para um lado. No mais, se você gosta de Kimi ni Todoke, certamente vai adorar Hibi Chouchou. Recomendo de coração esse mangá. Muito lindo, muito fofo!



Mangá em português:
Scan: Kokoro Nin-Nin
Ler online: Union Mangás

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Segunda Temporada de Age of Youth Estreia em Agosto desse Ano

Yoooooooo, minna-san!! Como vocês estão? Trago novidades para vocês... talvez nem seja uma novidade tão nova assim, mas só agora é que pude falar sobre isso. E para quem estava super ansioso - como eu - risos - a estreia de Age of Youth já está marcada para acontecer dia 25 de agosto. A série irá substituir o dorama Woman Dignity, que acaba dia 20.



Além da ausência da Hwayoung no elenco principal (atuando apenas com participações especiais), não teremos mais a participação de Park Hye Soo no papel de Eun Jae. A atriz que emplacou vários trabalhos esse ano, como Introverted Boy e agora, com Saimdang, Light's Diary, já está confirmada para atuar na produção do k-movie, Swing Kids (2018). A atriz que irá substituí-la é Ji Woo (conhecida por atuar em dramas como You are All Surrounded e The Universe Star).



A segunda temporada contará a história dessas cinco amigas depois de um ano. Nesse período, Jin Myung (Han Ye Ri) volta da China e consegue um emprego. Ye Eun (Han Seung Yeon) tira um ano sabático para lidar com os traumas que viveu ao lado do seu ex-namorado abusivo e após esse ano de retiro, ela está tentando voltar para a universidade. Ji Won (Park Eun Bin) continua solteira e Eun Jae (Ji Woo) tenta lidar com o sofrimento do fim do namoro com o antigo amor da sua vida, Yoon Jong Yeol (Shin Hyun Soo). É nesse período que elas conhecem sua nova companheira de república, Jo Eun (Choi Ah Ra), que ocupará o quarto que antes era de Kang Yi Na (Hwayoung).



Age of Youth ficou conhecida por abordar diversos temas tabus na sociedade sul coreana, torçamos para que nessa continuação, mais temas como esses sejam abordados de maneira madura e sem julgamentos de valor. Quem aí está ansioso para ver como vai se desenrolar essa sequência, saiba que você não está sozinho, porque eu também estou contando os dias para assistir!! Até a próxima, minna! 😘😘😘

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Life Plan A and B (Tw-Drama)

Eu sou uma pessoa que não se considera fã de nenhum ator/cantor etc, mas tenho aqueles que são meus "preferidos". Por isso, uma das razões de eu ter começado esse drama foi saber que a Rainie Yang seria a protagonista e também porque a história parecia bastante inovadora e diferente para um drama chinês. [Pode conter spoiler].

Título: 植劇場-荼蘼/ Life Plan A and B 
Direção: Wang Xiao Di, Huang Tian Ren
Roteiro: Mag Hsu
Gênero: Melodrama, Romance
Publicação: Tw-Drama - 6 episódios (TTV | 2016)
Nota♥♥♥

Life Plan A and B, drama taiwanês (2016)

Sinopse: Zheng Ru Wei (Rainie Yang) e Tang You Yan (Yan Yu Lin) são namorados, embora não sejam ricos, os dois apreciam bastante a vida, mesmo que isso signifique comer lámen de manhã, tarde e noite. Entretanto, apesar das dificuldades, surge a oportunidade de ouro: a empresa de Ru Wei quer que ela vá trabalhar em Xangai. Com medo da distância, You Yan também se esforça para conseguir uma vaga em Xangai. Tudo parecia perfeito, os dois iriam viver suas vidas em Xangai até um imprevisto acontecer e mudar os rumos de toda a história.

Ru Wei e You Yan são dois jovens sonhadores que se conhecem numa loja de conveniências. Duas pessoas totalmente distintas que se apaixonam e começam a namorar. Tudo isso é mostrado de maneira gradual, enfatizando todos os estágios do relacionamento do casal. Ambos são super companheiros e se esforçam juntos para terem uma boa vida longe de Taiwan.




No entanto, depois de tudo estar resolvido e de os dois irem morar em Xangai, o pai de You Yan sofre um acidente que o deixa incapacitado de fazer várias coisas. Esse acontecimento abala o relacionamento de Ru Wei e You Yan. Afinal, o que Ru Wei vai fazer? Ficar ao lado de You Yan abrindo mão de seus sonhos ou ir para Xangai sozinha e viver um relacionamento a distância? É baseado nesse dilema que a história se constrói. O plano A e o plano B correspondem à vida de Ru Wei sem ter ido para Xangai e à vida de Ru Wei em Xangai. Com qual dos dois planos ela seria mais feliz? Com qual deles ela se arrependeria menos?

Como tudo na vida, é difícil saber qual será a escolha mais correta para uma situação como essa. O drama tenta mostrar todos os pontos positivos e negativos de cada escolha sem tecer julgamentos de valor. É verdade que há uma pegada bem melodramática nos pontos negativos de cada plano, mas nada que torne o drama exaustivamente meloso.



Quando Ru Wei escolhe ficar ao lado de You Yan, ajudando-o a cuidar do pai dele (Zhang Fu Jian), ela ainda tem seu emprego e sua autonomia. Mas isso dura pouco tempo, pois Ru Wei descobre estar grávida e a sua vida toma outra reviravolta. Ela acaba tendo que ir morar com You Yan na casa dos pais dele. Para tornar a situação ainda mais delicada, eles não estão oficialmente casados, a mãe de You Yan (Chen Chi Hsia) sempre coloca defeito em tudo que Ru Wei faz e a irmã de You Yan, You Shan (Diane Lin), volta a morar com a família depois de o marido americano pedir o divórcio, por causa disso, You Shan não faz nada para ajudar e é grosseira e mal-educada com todos.

Mesmo numa situação delicada para Ru Wei, a vida mostra que as coisas podem piorar mais ainda. Exemplo disso é o episódio em que Ru Wei entra em trabalho de parto. Meio que dá a impressão de que Ru Wei é quase uma mártir por suportar tudo sozinha e sem murmurar. O único que compreende a situação da nora é o senhor Tang, que sempre pede desculpas e tenta ao máximo tornar a vida de Ru Wei menos árida.



Mas se a escolha de ficar com You Yan em Taiwan parece sofrível, ir para Xangai sozinha em busca de seu sonhos não foi nem de longe um mar de rosas. Ru Wei passa por diversas humilhações para conseguir ser reconhecida como uma boa profissional. Mesmo tendo que se reafirmar o tempo todo, ela vai conquistando notoriedade e respeito. No entanto, é nesse período que You Yan termina o namoro com ela e quem acaba consolando nossa heroína é o seu chefe mulherengo, Rong Yi Chao (Johnny Lu).

Porém, quando tudo parece calmo, eis que o primeiro golpe acerta Ru Wei em cheio. Ela é abandonada por Yi Chao que some sem deixar rastros. Mas deixa com ela uma mala cheia de dinheiro. Superado esse golpe, Ru Wei ainda encara outras pequenas tragédias na sua vida, o que a torna mais desconfiada e mais receosa de se envolver novamente com outro homem.



Vale salientar que a série não faz julgamentos de valor sobre os personagens. Podemos ver isso quando em um determinado momento, You Yan se torna funcionário público e chega em casa com dinheiro de suborno; Yi Chao é acusado de desviar dinheiro da empresa e desaparece sem deixar rastros; depois de se envolver com Yi Chao, Ru Wei engravida dele e acaba realizando um aborto. No entanto, os personagens não são julgados ou punidos por isso. Afinal, o ser humano é cheio de falhas. E eu achei essa perspectiva do drama um diferencial muito positivo.

Life Plan A and B não tenta provar qual teria sido a melhor escolha de Ru Wei, mas tenta mostrar o que podemos fazer para que cada decisão que tomamos seja a certa. Medo, insegurança, arrependimento fazem parte do processo e Ru Wei vem para mostrar que não existe certo ou errado e sim o que nossas ações sobre determinada coisa podem destruir ou enaltecer nossas escolhas de vida.


Tw-Drama legendado em português:
Scan: DramaFans (sem link)
Ver online: DramaFever

sexta-feira, 30 de junho de 2017

3 AM Dangerous Zone

Onde eu tava esse tempo todo que ainda não tinha lido esse mangá? E essa foi uma daquelas histórias que eu não consegui parar de ler e quando vi, já tinha acabado de ler numa tarde. Uma história engraçada e madura ao mesmo tempo. Fazia tempo que eu não lia um josei assim, tão leve e tão profundo como esse...

Título: 午前3時の無法地帯/ Gozen 3-ji no Muhouchitai/ 3 AM Dangerous Zone
Mangaká: Nemu Youko
Gênero: Comédia, Drama, Josei, Romance, Slice of Life
Publicação: Mangá - 3 volumes (2008)

3 AM Dangerous Zone, da mangaká Nemu Youko (2008)

Sinopse: Depois de se formar na faculdade, Nanase Momoko é contratada em um escritório de design de Pachinko. O que ela nunca imaginaria era que esse lugar é cercado de pervertidos e esquisitões excêntricos. O que contribui diretamente para que ela faça milhões de horas extras e perca seu namorado, Tamotsu. Depois de ser traída, Momoko parece se afundar mais e mais nesse emprego que ela quer abandonar, mas inesperadamente ela encontra apoio em Tagaya Masashi, um rapaz maduro que também trabalha no mesmo prédio que ela... Mas será que nossa querida Momoko conseguirá realizar seu sonho de ser ilustradora? E Tagaya, será que eles formarão um belo casal? Momoko conseguirá suportar o "segredo" que ele esconde?



Serei bem sucinta nessa postagem... pelo menos, assim espero conseguir ser - risos. Li essa história numa sentada, fiquei tão animada com o enredo que comecei lendo em português e terminei a leitura em espanhol, tamanha foi a minha empolgação. Até porque ando bastante desanimada, então, foi um grande achado ter encontrado essa história. E espero que nessas férias eu consiga dar um up na minha vida. Mas vamos lá...

Gostei pacas da Momoko. Ela conquistou um emprego e descobriu que não era o que ela tinha imaginado, mas as circunstâncias foram se tornando tão complicadas que ela se via mais e mais envolvida no escritório, o que fez com que seu desejo de mudar de emprego fosse, aos poucos, diminuindo. A figura da Momoko nos faz pensar no quanto estamos acomodados em nossos empregos ruins e também serve de reflexão: realmente odiamos esse emprego ou não queremos admitir que gostamos dele?




Achei super legal a forma como a Nemu Youko trouxe temas bem angustiantes, mas que assumem um ar mais leve e descontraído na narrativa do mangá. Um exemplo disso, é quando a Momoko tem dúvidas se ainda gosta do seu namorado, o Tamotsu. Ir para a casa dele após o expediente era para estar com ele ou porque o apartamento dele era perto da empresa? Outro exemplo, é quando todos desconfiam do caráter de Tagaya e passam a ver Momoko como uma jovem iludida por um cara mais velho. O desenrolar desse episódio foi bastante satisfatório, mas eu fiquei me roendo de ansiedade para saber a verdade - risos.




No mais, super indico esse mangá. Não é uma história clichê, com romances bobinhos e situações constrangedoras. Ele tem uma pegada mais madura e cômica, mas traz um tom irônico muito forte. Além disso, ver uma história que trata de decepções e aprendizados, é muito importante e válido. Momoko cresce muito ao longo do tempo em que trabalha no escritório, mesmo que no início ela tenha querido se demitir. Vale salientar que mostrar o quanto podemos nos decepcionar com algumas coisas, funciona também como um ensinamento de como vemos isso: eu aprendo com meu ofício ou eu passo a vida toda odiando o meu trabalho sem conseguir mudar de emprego? São dilemas simples, cotidianos, mas que dão um ritmo extremamente original nessa história tão divertida. Recomendo.



Mangá em português:
Scan: Lady Otomem Project; Mangás Space
Ler online: Mangás Space

Mangá em espanhol:
Scan: Last Heaven Fansub
Leer online: TuMangaOnline

domingo, 28 de maio de 2017

Considerações #10 - Circle: Two Worlds Connected (Primeiras Impressões)

Yoooooo, minna-san!! Como vocês estão? Hoje trago minha humilde opinião sobre o primeiro drama de ficção científica da tvN, Circle: Two Worlds Connected (써클 : 이어진 두 세계). O drama possui no total 12 episódios e ainda está em lançamento. A série estreou dia 22 de maio de 2017 e será exibida até o dia 20 de junho de 2017, todas as segundas e terças, às 23h.

A história é dividida em duas partes. A primeira intitulada "Projeto Beta" e a segunda "Admirável Mundo Novo". A primeira parte se passa em 2017 e a segunda em 2037, vinte anos depois de três acontecimentos sem solução terem acontecido: o suposto suicídio de um jovem universitário, o sequestro de uma criança de 7 anos e o desaparecimento de dois irmãos gêmeos.

Circle: Two Worlds Connected, drama coreano (2017)

Os três casos, que nunca foram solucionados pela polícia, voltam à tona na segunda parte da série, mostrando que esses acontecimentos têm relação entre si. E não apenas isso, que esses acontecimentos escondem uma trama muito maior por trás.

Tudo começa em 2007, quando Kim Woo Jin e Kim Bum Gyun (os irmãos gêmeos que desaparecem dez anos depois), são perseguidos por uma força misteriosa que acabam desconfiando ser uma alienígena (Gong Seung Yeon). No entanto, essa alienígena assumiu a forma de uma mulher que, posteriormente, vai embora levando o pai dos dois irmãos embora para sempre. Desde então, Bum Gyun fica obcecado em encontrar a alienígena e se propõe a fazer o possível e o impossível para provar que ela está por trás de vários assassinatos.



Já em 2017, conhecemos Woo Jin (Yeo Jin Goo) tendo que manter sua bolsa na universidade e tendo que pagar as contas da sua avó doente, enquanto seu irmão mais velho, Bum Gyun (Ahn Woo Yeon) está cumprindo pena por se envolver num incidente com um taser.

Após sair por bom comportamento, Bum Gyun vai morar com o irmão, mas sua obsessão é tão grande sobre a alienígena, que ele passa a perseguir a jovem Han Jun Yeon (Gong Seung Yeon). Por um instante, Woo Jin passa a perseguir a garota, mas acredita que ela não é uma alienígena e que seria impossível ela não ter envelhecido nada em 10 anos. Entretanto, após o desaparecimento de Bum Gyun, Woo Jin descobre que Jun Yeon não é tão inocente assim.



O ano é 2037. A Coreia vive dividida em dois territórios: a Terra Inteligente e a Terra Comum. Os que vivem na Terra Comum estão sujeitos há viverem em péssimas condições, enquanto os moradores da Terra Inteligente desfrutam de uma vida tranquila e feliz. Mas tudo isso somente até um assassinato acontecer. A Terra Inteligente vivia há 15 anos sem crimes ou homicídios, pois todos os habitantes aderiram ao uso do Sistema Humano B, no entanto, o que ninguém sabe é que esse sistema não tem apenas a finalidade de evitar crimes, o buraco é muito mais embaixo.

A famosa calmaria da Terra Inteligente é abalada mais ainda quando o detetive da Terra Comum, Kim Joon Hyuk (Kim Kang Woo), fica responsável pela investigação. Mas Joon Hyuk não está na Terra Inteligente apenas para solucionar o caso, ele precisa encontrar logo seu irmão e enfrentará uma trama que ele sequer imagina. Será que a Terra Inteligente é um lugar tão maravilhoso quanto pintam? E onde foi parar a alienígena que os irmãos gêmeos conheceram quando crianças?



Se você curte histórias de ficção científica como eu, não pode deixar de acompanhar esse dorama. Assisti apenas aos dois primeiros episódios e já estou com gostinho de quero mais. A trama parece ser bem interessante e aos poucos você vai entendendo como esses dois mundos estão conectados. Torço para que seja uma ótima história, pois faz muito tempo que não vejo uma boa série sci-fi. No mais, super recomendo esse drama para todos aqueles, que assim como eu, amam sci-fi. Não sei se algum fansub está legendando, mas quem tiver conta no DramaFever pode acompanhar os episódios legendados em português. Até a próxima, minna!! Kissu...

domingo, 21 de maio de 2017

Segunda Temporada de Age of Youth Confirma Retorno de Elenco Original, mas com Ressalvas

Yoooo, minna... cá estou eu para trazer boas notícias aos fãs de Age of Youth. O elenco original da primeira temporada está confirmado nessa continuação, entretanto, com algumas ressalvas, digamos assim. E já podemos observar na foto de divulgação a ausência da Kang Yi Na.



O caso polêmico que envolveu Ryu Hwayoung custou sua participação efetiva na série, rendendo-lhe apenas algumas aparições esporádicas, mesmo depois de confirmada a sua não participação. Outras fontes já desmentem que a razão de Hwayoung não fazer parte do elenco efetivamente seja outro, como o fato de ela estar ocupada com as gravações do drama My Father Is Strange, que só terminam em setembro. No mais, é uma grande pena, já que eu adorava a personagem dela e gostaria sim de ver mais sobre ela.



De qualquer forma, mesmo sabendo que a Coreia do Sul é um país extremamente moralista e de não esquecer fácil casos polêmicos, já é alguma coisa saber que a Kang Yi Na irá aparecer em alguns episódios e que vai ter papel significativo no drama familiar, My Father Is Strange, que terá 50 episódios. Pensei que ela não fosse ter sequer participação nessa segunda temporada e eu já estava tentando me conformar com a ideia de os produtores não mudarem de ideia. Fiquei super apreensiva de isso acabar com a carreira dela, como o que aconteceu com a Sawajiri Erika (atriz de 1 Litro de Lágrimas), mas acho que ela conseguiu contornar isso.



Outra novidade nessa segunda temporada é a possível participação do ator Kim Min Suk (o Kang Soo de Doctors) na nova trama. Vale salientar que ele ainda não confirmou presença, mas torçamos para que ele aceite e participe dessa produção.

domingo, 7 de maio de 2017

Considerações#9 - Você já Valorizou a sua Scan ou Fansub Hoje?

Yooooo, minna.... vamos falar de uma coisa séria? Prometo que não vai ser demorado nem enfadonho, mas apenas um papo cabeça sobre umas coisas que andei observando recentemente. O lance é o seguinte, vocês andam valorizando as scans e os fansubs que GRATUITAMENTE traduzem e legendam as histórias que vocês mais gostam?



Fazia um certo tempo que eu queria falar sobre isso com vocês. Sobre minha tristeza com alguns fansubs fechando ou entrando em hiato por tempo indeterminado e várias, mas várias scans fechando ou restringido o acesso dos usuários. Parece besteira, até porque você que usa o MangaHost ou o MangasPROJECT ou o Yes Mangás ou qualquer outro site de leitura online [que NUNCA, MAS NUNCA na vida respeitou o trabalho duro das scans] não vai entender minha preocupação.



Tudo começou quando percebi que algumas scans estavam há meses sem postar uma notícia sequer e algumas delas, como a Kokoro Nin-Nin e a Yaoi Toshokan, anunciando o encerramento de suas atividades. Outras, como a Momo Sensei e a Shoujo Scans, há um ano não postam atualizações. Mas muitos de vocês devem estar aí pensando, Mas e daí? Eu estou lendo meu mangá em algum leitor online qualquer. De fato, você está lendo, mas já percebeu que aquele mangá não tem um capítulo novo há milênios? E você sempre fica se perguntando por que ninguém traduz esse mangá que você tanto ama? Pois é. Você está no lado escuro da força. Não está valorizando a sua scan/fansub.



Não é nada difícil fazer isso. Por incrível que pareça, leitores onlines como MangaHost, MangasPROJECT, Yes Mangás, Central de Mangás [dentre outros, com algumas raras exceções, como o Union Mangás, mas que ultimamente começou a decepcionar muita gente ao usar práticas semelhantes], colocam os "créditos" da tradução às scans que traduziram aquele projeto, mas apenas para fingir que não pegaram sem permissão. O que quero dizer com isso é que você pode descobrir quem traduziu e assim ir diretamente ao site da scan. Simples assim. Mesmo com a covardia de se apossar do trabalho das scans, ao menos é possível chegar até a scan e dar valor a quem realmente merece o reconhecimento pela tradução.



Algumas scans aderiram à campanha Valorize a sua Scan, como a Toshi wa Yume, Dimichan, Otaku no Yume, My Otaku Way, FY Mangás, Mundo Otaku Scans, Fascínio Asiático, Antique Mangás, Lady Otomen, Redisu e Scarlet Rose. Dessas, infelizmente, o My Otaku Way (MOW) acabou. Assim como outras scans, como a Koisei Scans, a Pururin, a Shin Sekai dentre outras. É extremamente importante fazer algo simples como dizer "Obrigado pelo projeto". Comentar, compartilhar, levantar o ego e a moral das scans. Além disso, coisas desse tipo não ficam restritas apenas às scans, os fansubs que legendam os nossos doramas preferidos também acabam sofrendo com a ingratidão dos fãs. Um exemplo disso é sabermos que fansubs como Yö Dramas, Ohayo Dramas, DramaFans, Sora~D Fansub fecharam e scans como a Siwon Fansub e JDramas Fansub entraram em hiato por tempo indeterminado.



Quem sou eu para querer mudar o mundo, mas se nós todos estamos no mesmo barco e amamos ler mangás, ver animes e doramas é preciso que façamos alguma coisa. Sua inércia e a sua falta de consideração podem ser responsáveis pelo fechamento de diversas scans ou de que a maioria delas comece a limitar o acesso apenas para convidados como a Fascinating Mystery Scan fez. Então, vamos valorizar as scans e os fansubs que tanto trabalham duro e de graça para fazer a felicidade de todos nós. Ser grato por isso e saber valorizar são coisas simples que podem evitar que mais scans e fansubs fechem ou entrem em hiato. No mais, era isso, minna... Espero sinceramente ter tocado o coração de vocês. Até a próxima... Kissu.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Avatar - A Lenda de Korra

A Lenda de Korra é uma séria baseada na continuação de Avatar - A Lenda de Aang. Entretanto, apesar de ser uma continuação de A Lenda de Aang, A Lenda de Korra se passa muitos anos depois da morte de Aang. Korra é a nova Avatar e cabe a ela enfrentar novos desafios a fim de manter a paz no mundo. [Pode conter spoiler]

Título: The Legend of Korra/ Avatar - A Lenda de Korra
Autor/ Roteiro: Michael Dante DiMartino; Bryan Konietzko
Gênero: Aventura, Fantasia
Publicação: Animação - 52 episódios (2010)

Avatar - A Lenda de Korra (2010)

Uma das principais razões para se assistir A Lenda de Korra é que ela é uma heroína e tanto. Além de de ser a Avatar, ela é uma personagem que quebra diversos padrões e estereótipos. Korra é descendente da tribo da água, por isso ela é apresentada como uma personagem feminina não-branca, de cabelo curto cujo corpo é bastante musculoso para padrões femininos de desenhos animados. Mas isso é o que faz Korra uma personagem única e de peso. Além de ser uma personagem que vai contra todos os estereótipos, ela ainda quebra mais um paradigma, ela é bissexual.

Mas peraí, Avatar não é uma série animada para um público infantil? Exatamente. No entanto, é importante salientar que essa descoberta sexual de Korra foi sutilmente trabalhada ao longo da série e a confirmação disso só ocorre no final da última temporada. Além disso, crianças não são preconceituosas por natureza, o preconceito é construído, logo, o fato de Korra ser bissexual não espantaria as crianças, os julgamentos preconceituosos são frutos dos adultos que transmitem esses pensamentos para os pequenos desde cedo.



Mas A Lenda de Korra não foca apenas na bissexualidade da personagem principal, vale salientar que a série Avatar como um todo é tida como um desenho subversivo, digamos assim. Desde A Lenda de Aang são tratados temas sérios. Mesmo que seja um desenho, sobretudo, voltado para o público infantil, temas como igualdade, justiça e tolerância já foram trabalhados na primeira parte da série. Em Korra não seria diferente, entretanto, os temas abordados são menos abstratos, se assim podemos dizer, com relação aos tratados em A Lenda de Aang.

Além da bissexualidade de Korra, temas como genocídio, abuso infantil, morte de entes queridos e estresse pós-traumático são frequentes nessa segunda parte da série. Korra enfrenta momentos difíceis e de grande dificuldade depois de enfrentar um terrível vilão. Mesmo sendo a Avatar, Korra tem que superar seus traumas para poder manter a paz e salvar a vida de seus amigos e entes queridos. Em A Lenda de Korra podemos ver a vulnerabilidade do ser humano diante de determinadas situações e podemos acompanhar as reviravoltas da história a partir das escolhas de cada personagem.



Por trazer assuntos sérios trabalhados de forma sutil e contundente é que considero Korra uma das melhores séries animadas que já assisti na vida. Embora os relacionamentos de Korra com personagens masculinos sejam escancarados e mesmo que ela seja marcadamente apontada como forte e musculosa, vemos uma Korra fragilizada e amedrontada depois de sofrer um grande trauma e vemos toda a sua desenvoltura para dar a volta por cima. Além disso, é muito bonito quando ela finalmente assume estar apaixonada por uma mulher, mesmo que isso só apareça nas entrelinhas. Dito isso, vemos que Korra é um desenho totalmente diferente do modelinho que estamos acostumados a assistir. Uma história incrível, com conteúdo próprio e super atual. Recomendo muito. Vale a pena conferir!! Até a próxima...

domingo, 23 de abril de 2017

Sakurairo no Tsumeato

Yooooo, minna!! Como vocês estão? Espero que bem... eu também estou bem, mas vale mencionar que nem tanto assim. Meus altos e baixos continuam os mesmos, o que dificulta bastante eu ter motivação para fazer as coisas. Entretanto, hoje consegui ver alguns filmes e ler uma oneshot, mesmo que seja uma oneshot, eu estou feliz pelo meu avanço. Vamos conhecer essa história?

Título: Sakurairo no Tsumeato
Mangaká: Sakurada Hina
Gênero: Drama, Romance, School Life, Sensei, Shoujo
Publicação: Oneshot (2008)

Sakurairo no Tsumeato, da mangaká Sakurada Hina (2008)

Sinopse: Mika é uma colegial apaixonada pelo seu professor, Ayanagi-sensei. Depois de reunir coragem para se declarar a ele, ela é rejeitada. No entanto, alguma coisa em Mika atrai a atenção do sensei. Será que de alguma forma ela tem alguma chance de conquistá-lo um dia?

Essa oneshot de Sakurada Hina foi publicada em 2008, no volume único intitulado Tarou-kun wa Yuganderu (太郎くんは歪んでる). Sakurairo no Tsumeato conta a história de Mika e de sua paixão platônica pelo seu sensei Ayanagi. Apesar de ser rejeitada pelo sensei, Mika não desiste. O que é legal, mas surgem alguns pontos problemáticos na história.

Ayanagi-sensei carrega uma mágoa muito grande no coração. É por causa dessa mágoa, dessa tristeza que ele rejeita Mika. No entanto, embora tenha rejeitado os sentimentos de Mika, ele não deixa de aparecer perto dela e de sacaneá-la. Inclusive sendo hostil e grosseiro com ela. Há um momento em que o sensei perde o controle e intimida Mika da pior maneira possível.

Desculpem-me, mas essa atitude do sensei não é nada romântica. Mas apesar dos pesares, os rumos finais da história são interessantes, já que vemos o sensei superando sua dor. Uma coisa que não fica clara é a dimensão temporal. Não consegui perceber se tinha passado algum tempo depois da declaração de Mika, mas suponho que para poder superar sua dor, deve ter passado algum tempinho sim, até porque para o sensei estar aberto aos sentimentos de Mika é necessário ter superado seu trauma. No mais, é uma história legal que mostra que o amor verdadeiro pode curar corações feridos. Leiam e tirem suas próprias conclusões. Até a próxima!! Kissu...


Oneshot em português:
Scan: Fascínio Asiático
Ler online: Central de Mangás
 

AniMangá House Template by Ipietoon Cute Blog Design